sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Resenha Darzamat - Solfernus’ Path


Formada em 1995 na Polônia e atualmente com cinco álbuns lançados, Darzamat iniciou sua carreira trazendo em seu primeiro álbum “In the Flames of Black Art” de 1996, um tradicional Symphonic Black Metal que intercalava passagens melódicas com vocais femininos, porém, a partir do segundo álbum “Oniriad” em 2003, suas características começa a se definir com a introdução de graves guturais e uma maior presença dos vocais femininos, misturando elementos de Death e Gothic Metal. Esta sonoridade prosperou nos seguintes álbuns “SemiDevilish” de 2004, “Transkarpatia” de 2005 e “Solfernus’ Path” de 2009.

Solfernus’ Path continua a linha dos dois álbuns antecessores, com a primeira faixa do disco “False Sleepwalker” que introduz o ouvinte a um minuto de atmosfera e então explode em distorcidos riffs acompanhados de pedais acelerados, um sinfonia sombria semelhante a um órgão no fundo, e o tradicional dueto de guturais graves e um forte vocal feminino não tão suave quanto nos álbuns anteriores. Na quarta faixa intitulada “Pain Collector”, inicia a porrada com acelerados riffs em breakdowns e a sempre presente sinfonia de fundo, dando mais ênfase no vocal feminino nos versos principais e no refrão, dando um pequeno espaço aos guturais.

Na sétima faixa, “Gloria Inferni” apresenta uma caótica atmosfera introduzida pelo som similar a um órgão durante seu desenvolvimento e um refrão onde ambos os vocais pronunciam juntos o nome da música, tornando-se progressiva e acelerada, trazendo uma atmosfera ainda mais sombria e decadente que retorna a sonoridade original. A nona e décima primeira faixa “Solfernus’ Path” e “King Of The Burning Anthems” iniciam dando ênfase ao suspense das sinfonias de fundo, sendo a primeira focada no vocal limpo e a segunda nos guturais, ambas apresentando riffs extremos e explosivos que alteram para a cadência de velocidade tornando-se mais “melódicas”. 


Essas características são mantidas no decorrer do álbum, descrevendo o que poderia se chamar de uma Noite Sombria, formando um combinação perfeita entre Death e Gothic com elementos sinfônicos, criando uma verdadeira pancadaria sonora carregada com uma atmosfera sombria.
 
 Membros da banda:
Nera - vocal
Flauros - vocal
Chris - guitar
Markus - bass
Jacek Gut - drums

 
Contato: 
Mais Informações: