sexta-feira, 15 de abril de 2016

Resenha: do evento Hardcore Attack no Inferno Club

("Oitão - Inferno Club")

Show HardCore Attack
Inferno Club/SP – 09/04/16

O Brasil União Rock, um dos grandes divulgadores da nossa Cena Underground Nacional, esteve a frente dessa realização, juntamente com seus parceiros e organizadores, como: Guilherme Büssing, Sandra Marques , Marcos Maccione, Marcos Paulo Augusto e o apoio de Henrique Buffa. Onde, sem a presença deles, não poderia ser realizados. Eles vêm se tornando umas das grandes referencias e apoiadores do Metal e da cena Underground nacional.

A casa de show Inferno Club – São Paulo localizado na rua: Augusta, na região da Paulista foi o palco acolhedor das bandas paulistas, que representam a cena underground nacional, muito bem, tais como: Trevas (Thrash Metal), Antimidia (HardCore) e a brutal banda Oitão com seu HC destruidor. Como os portões já abertos, à parti das 18:00 horas, do dia 09 de abril os espectadores do HardCore Attack foram adentrando no Inferno Club para acompanhar as prestações de três bandas da música extrema brasileira.
Por volta das 19:00 horas, o Guilherme Büssing um dos organizadores do evento sobe ao palco para dar o início às festividades, apresentando  a banda paulista de Thrash Metal que atuou nos anos 80 durante três anos e logo após um longo hiato a banda Trevas marcou seu retorno em 2013. Sem mais delongas a banda sobe ao palco já iniciando de cara uma cover “Ace of Spades” da lendária banda Mörtorhead, que por sinal muito bem executada .


Em seguida a banda emenda a canção de sua autoria, “Carrasco” onde o guitarrista esbanjava riffs poderosos e incandescentes e o  Eduardo Marin (baixista) e frontman do Trevas unia sua  voz entre um vocal denso e rasgado. Na sequência é anunciado a música “Crom” que após sua execução já emendam com a canção “Nervos de Aço” onde a harmonização da banda ganha um gás alucinado. E logo após esta trinca e além da cover, chega a vez de uma canção composta em inglês “Luftwaffe” que vem seguida da música “Legião do Inferno”.
Após o fim da execução da canção anterior, o frontman do Trevas anuncia a próxima música se referindo como:  “Umas das melhores bandas de Black Metal da época - Celtic Frost”. Onde eles encaixaram uma cover da canção “Dethroned Emperor” onde levaram a galera presente no inferno Club ao delírio com seus riffs consistentes, e a cozinha bem marcante impondo muito peso através das baquetas de Benê Luiz.
Vamos seguindo a noite com a banda, onde eles vão dando andamento ao seu set e após o fechamento da cover, é a vez  da música “Kamikaze” que logo em seguida é acompanhado do pronunciamento do frontman: “Todo mundo pensa em matar, mas ninguém estar preparado para morrer”, onde foi dado o inicio da música “Cães de Guerra”, uma canção executada com riffs extremamente cortantes e onde constantemente o baterista descia a mão literalmente em seu kit, executando muita variações e viradas alucinantes.


Após a prestação da destruidora “Cães de Guerra” , chega a vez de mais uma canção composta em inglês ”Living In Fear”, que após esta execução a banda faz uma pausa por um momento para fazer os agradecimentos aos organizadores do evento  e anuncia a última canção  fechando seu set destruidor, com a música “ Anticristo”.
Após o fim da prestação do Trevas no palco do Inferno Club, agora é um momento para recompormos e tomarmos um breja e esperar a organização do palco para aproxima atração da noite . Com tudo já organizado para a atração seguinte, o Sr. Guilherme Büssing, sobe ao palco novamente para fazer as horarias, agora com a banda paulista de HardCore Antimídia.


Após apresentação devida, a banda sobe ao palco e já de início executarando a música “Desejos Primitivos” no caminho da execução desta canção notava –se  que a banda estava com o sangue nos olhos, chegando ao ponto do M.Paulo Augusto (baixista) estourar a corda de seu instrumento. Após sua primeira destruição é anunciado a próxima canção “Meu Ódio Será Sua Herança”, que integrará ao seu mais recente trabalho que está prestes a sair. E logo em seguida, a banda emenda a música “Animais Covardes” fechando esta trinca matadora.
Após o fechamento dessa primeira trinca, a próxima canção é dada pela contagem das baquetas do Renê Luiz (é impressionante a disposição desse rapaz, após sua apresentação junto ao Trevas),  onde toda a desgraceira da “Informe Publicitário” é desferida no palco do inferno Club, isso que apenas o seu set estava no início e ainda iríamos ver muito gás desta banda paulistana. E falar em gás a banda vai seguindo a noite com seus riffs precisos e ultra – rápidos como todo o HC deve ter, eles foram seguindo com as canções “Paraiso – Decadente”, “Luto –a – Sociedade” e a música “Antimídia”.    
Em seguida o Marcos Maccione  frontman do Antimídia, anuncia a próxima  canção “Defecação” com uma letra direta e com riffs marcantes. Com toda energia emergida vindo do palco.  Em seguida vem a música “Gritos de Ódios” e a “A.V.P”  fechando mais uma trinca devastadora. A próxima canção anunciada é “Quarto Poder”, ( uma pequena pausa para o Renê Luiz), baterista tomar um fôlego e em seguida a desgraceira do (Quarto Poder) ganha vida através dos acordes cortantes e refrões  pegajosos.


E sem perder muito tempo a banda solta a próxima canção “Fábrica de Mini Putas” um nome bem sugestivo, a letra condiz bem com que vem acontecendo em nossa cultura popular. Vamos se aproximando do fim da apresentação do Antimídia no palco do Inferno Club, onde é comunicada a próxima música ”Violência Casual”. E antes mesmo da próxima canção ser executada, surge uma pequena pausa, onde o Marcos Maccione frontaman da banda  faz  alguns agradecimentos, a toda produção e organizadores do evento. E principalmente um agradecimento específico a sua esposa: “Agradeço á minha patroa por estar aqui ao meu lado participando desse evento, e por estarmos comemorando o aniversário de casamento aqui no Inferno Club”, com brincadeiras a parte dos integrantes do Antimídia. Logo na sequência é emendada a canção “Brasil Latrina do Mundo” fechando seu bloco de apresentação.
Após a apresentação destruidora do Antimídia, é dado um tempo para a organização do palco se preparar para a próxima atração da noite. Neste momento encontramos um tempo para nos recompormos, aproveitamos para tomar umas geladas e bater um papo com alguns amigos presentes no evento, enquanto esperávamos para a próxima apresentação.   


Após algum tempo as luzes do palco do Inferno Club se ascende e logo de cara aparecem os integrantes da banda Oitão, onde surgiram o Fogaça e Ciero mascarados de (Freira e Velho (a)) e os restantes de seus membros como: Ed Chaves e Marcelo BA, entraram de cara limpa executando  a  “Intro I”, destruindo tudo, dando a entrada para canção “Pobre Povo” pertencente ao álbum que carrega o próprio titulo, nesta execução já percebíamos  que a noite pegaria fogo com sua performance.
A presença do Fogaça no palco é bem marcante e cheia de atitude e seguindo essa linha a banda segue com sua próxima canção “Tormento” que pertence ao álbum 4° Mundo, onde a pancadaria só estava começando. Oitão foi seguindo a noite e vieram a executar as canções do álbum Pobre Povo – “Maldito Papel” e a música “4° Mundo”, onde podíamos ver o Fogaça soltar os verbos em cima de canções, acompanhado por Ciero (Guitarrista e Produtor musical), executando riffs extremamente densos  com uma afinação que se escoava  por todo Inferno Club massacrando nossos tímpanos.


Fechando este primeiro bloco destruidor, é dada a sequência com as músicas “Podridão Engravatadas” com refrôes pegajosos e a canção “Tiro na Rótula”. Após esta performance, surgiram algumas manifestações, porque a banda estava quase em cima do cronograma da casa. Mas sobrou muito tempo ainda para sua prestação e, a Oitão não perde tempo, aproveitando o espaço para sua performance, soltando os riffs destruidores da música “Faixa de Gaza” que logo veio emendada por duas covers  para agitação geral da galera, como: “Vida Ruim  & Olho Seco” (R.D.P & Olho Seco), onde essa execuções ganharam uma vida estupidamente pesadas carregadas de riffs ,em que Ciero esbanjava uma imensa vontade e garra.


Uma pena de estarmos chegando ao fim dessa monstruosa apresentação. E, com riffs pesadíssimos de Ciero, foi anunciada a canção “Imagem da Besta”, que após a execução dessa música, a banda começa a executar a “Intro II” para o fechamento dessa destruição que se manteve no Inferno Club. E, aproveitando o espaço, a banda fecha o evento fazendo os últimos agradecimentos gerais a todos os envolvidos no evento “HardCore Attack”, através de seus acordes ultra – pesadíssimos.

Espero sempre encontrar eventos como HardCore Attack, e entre outros pois sua produção foi muito bem organizada. E seus produtores e organizadores estão de parabéns pelo evento realizado no Inferno Club um dos espaços bem bacana de São Paulo que abraça a cena underground brasileira.  


Set List HardCore Attack:

Trevas:
Ace of Spades ( Cover) – Motörhead
Carrasco
Crom
Nervos  de Aço
Luftwaffe
Legião do Inferno
Dethroned Emperor  (Cover) – Celtic Frost
Kamikaze
Cães de Guerra
Living in Fear

Anticristo 

Antimídia:

Desejos Primitivos
O Meu Ódio Será Sua Herança
Animais Covardes
Informe Publicitário
Paraiso – Decadente
Luto –a – Sociedade
Antimídia
Defecação
Gritos de Ódio
A.V.P
Quarto Poder
Fábrica de Mini Putas
Violência Casual
Brasil Latrina do Mundo 

Oitão:

Intro
Pobre Povo
Tormento
Maldito Papel
4° Mundo
Podridão Engravatada
Doença
Tiro na Rótula
Chacina
Vida Ruim (Cover) – R.D.P
Olho Seco (Cover) – Olho Seco
Não me Entrego
Imagem
Intro II