sábado, 2 de julho de 2016

Resenha - Evento “Genocídio Records Fest 2”


Fotos & Texto: André Santos
Filmagem: Maria Correia
Realizações: Genocídio Records , com apoio de Rock Club Live

O blogger Chama do Metal esteve presente no Morfeus Club de São Paulo realizando a cobertura desse evento na noite de sábado. Confiram como foi este registro.
Nesse último fim de semana que passou, dia 25 de junho, o ‘Morfeus Club’ localizado na região da Santa Cecilia – Centro/SP, abrigou em seu palco as vertentes do Metal extremo como: o Blackened, Death , Black Metal. Bandas como Crucifixion BR, Sangrena, ambas de São Paulo e os convidados da horda carioca The Black Cold, presentes no evento do “Genocídio Records” com apoio do Selo “Rock Club Live” para solidificar a cena Metal brasileira extrema, o palco do ‘Morfeus’ compactuou a proliferação  da cena Underground.

Mas vamos caminhando para os registros da noite! Por volta da 20h45min, a banda paulista Crucifixion BR se fez presente ao palco do Morfeus Club, com seus integrantes: Juliana Novo (Bateria), Roberto Candido (Baixo) e Marcio Guterres (Vocal/ Guitarra), para apresentar o seu vigoroso Blackened Death Metal.


Os mesmos iniciaram sua prestação com a música “Crucifixion”, já demonstrando que a noite viria com uma pegada densa, que logo em seguida a banda emenda a próxima destruição que fica a cargo de “Apocalyptic Setence” que chega aos nossos ouvidos com riffs pesados e densos carregados com melodias. E antes mesmo do início de sua terceira prestação, o frontman ‘Guterres’ anuncia a próxima canção “Dead Generation”, onde os acordes cadenciados inflamavam com o acompanhamento de ‘Juliana Novo’ que descia a mão seu kit com destreza.
E sem perder tempo, embalados pelo clima, a banda suplicia mais uma música que está presente em seu vídeo clipe de trabalho. Falo de “Eternal Judgement”.


Depois dessa prestação o Crucifixion BR, apresenta a subsequente  canção “Souls Rupture” com uma apresentação devastadora. Logo em seguida o ‘Guterres’ diz: “A próxima música faz parte da história do Crucifixion BR”. Já nos primeiros acordes o público perceberam que se tratava simplesmente de uma cover de “Dead Embryonic Cells” do álbum (Arise/Sepultura).


Antes mesmo da última música para fechar sua prestação, o frontman Guterres aproveita para deixar um recado agradecendo o pequeno público presente e as bandas participantes fazendo um desabafo, pedindo para a galera divulgar, comparecer mais e deixar de ficar somente na internet. “Quem curte Metal tem que comparecer nas casas de eventos! (Porra)”. E na sequência os acordes rasgados de “Detroying The Fucking Disciples Of Christ” são despejados em nossos tímpanos com muita intensidade, fechando assim sua apresentação no palco do Morfeus Club.

Com fim da apresentação da banda paulista é dado um tempo para a organização do palco e ao fim dessa preparação, chega o momento dos convidados, vindo do Rio de Janeiro representando a horda carioca, The Black Cold, que se faz presente com seus integrantes: Belphegor (Bateria), Dominvs (Baixo), Berith (Guitarra) e Forcas (Vocal), para apresentar toda a proliferação do Black Metal.



 A horda inicia sua prestação emblemática que logo veio acompanhada pelo cantico “Maldictvs Frvctvs Into Ventris Tvi”, empregando um clima sombrio no palco e nesse momento o frontman ‘Forcas’ já se encontrava imerso em sangue, nos trazendo toda podreficação da música “ET Svlphvr  Natvs Mortem”, com acordes sujos e mortais ganhando vida pela voz de ‘Forcas’.
No próximo cantico o frontman aproveita para agradecer, dizendo: Valeu pela presença de todos, poucos, mas os reais apreciadores do real Black Metal, The Black Clod  aqui se faz presente/ a essência da morte se faz presente”. E seguindo o mesmo anuncia a canção “Entre Ossos e Enxofre”, com riffs densos que surgiam das profundezas do palco do ‘Morfeus’ e sem perder tempo com o clima empregado em nossas almas a horda segue sua prestação obscura se encarregando de nos trazer a seguinte música “IN Atessa Della Morte”. A cada prestação do The Black Cold, o palco vai nos emergindo em vale sombrio e mórbido de seus cânticos.


 Na sequência surge a execução de “Submition And Devotion For The Lord Of Dead Insects”, com compassos marcantes e carregados de riffs  regados de sangue. E a proliferação vai ganhando vigor pelos acordes marcantes de “Those Who Ride Of The Horns Ov Goat”, que em seguida vem acompanhado do cântico “The Path Ove Evil...Thy Left Hands” que todo o caminho do mal era representado pelas cordas da horda carioca.


Depois das apresentação de seu penúltimo cântico, o frontman da horda faz alguns agradecimentos. “Forcas” agradece o público novamente pelo o comparecimento da galera dizendo que são poucos, mais os reais que importam e agradece a Lívia da “Genocídio Records”, pela a realização desse evento! (Foda), valeu”.
Depois dos agradecimentos , a horda anuncia o próximo cântico que faz parte do seu EP intitulado “In Nomine Dei Nostri”. Estou falando do cântico “Bogotten For Darkness/ This The End...”, fechando assim as forças do submundo que se fez presente ao palco do ‘Morfeus Club’.

Com o fim da prestação das “forças do submundo” é dado um tempo para a organização do palco, para mais uma vez acolher a próxima atração da noite. Ao término da preparação, chega o momento da banda Sangrena , vinda de Amparo/SP que sobe ao palco com seus integrantes:  Alan Marques (Bateria), Gustavo Bonfá (Guitarra), Fábio Ferreira (Guitarra) e o Luciano Fedel (Vocal/Baixo). Os mesmos iniciam os acordes destruidores de “Infernal Domination” (onde mesma canção faz parte de seu vídeo – clipe de trabalho), com riffs densos e rasgados, acompanhados de “Urros” brutais de ‘Luciano’.


E já com muito gás nas veias, o Sangrena uni logo em seguida a música “Land Of Scorn”, outra porradeira nos tímpanos cheia de timbres e riffs cortantes, ao fim dessa devastação. Logo em seguida vem uma pausa quebrada pelo  frontman ‘Luciano’ onde ele comenta: “Vamos tocar um pouco, jogando as canções uma seguida das outras, por causa do tempo que se encontra um pouco curto”. E sem perder muito tempo anuncia a próxima música “The Ninth Prophecy”, que vem repletas de riffs cadenciados  e de melodias da nona profecia.
Logo na sequência é a vez de sua quarta prestação ganhar alma e nada mais, nada menos, que “Blessed Black Spirit”, que faz título de seu álbum de estúdio. ‘Gustavo’ e ‘Fábio’ foram regindo riffs poderosos acompanhados por toda a manipulação que ‘Alan’ empenhava em suas baquetas.


Como o tempo estava se tornando curto, o Sangrena segue para o seu último bloco de prestação e ‘Luciano’ faz uma citação: “Tudo que eu quero é seu ódio para mim”. Que  veio seguido de acordes ultra – rápidos acompanhados de “Urros” devastadores de seu vocalista e baixista, dar vida a música “Crused By Revenge”. Mas, infelizmente vamos caminhando ao final e o frontman anuncia a sua saidera com os acordes de “The March”, que são despejados em nós com muita energia, fechando a sua prestação ao palco do ‘Morfeus Club’.



Gostaria de agradecer e parabenizar os organizadores da Genocídio Records, Lívia  e ao Francisco Jr da Rock Club Live, por este evento que rolou de forma extremamente perfeita e adequada e ao prestígio de poucos presentes, uma pena, mas esses são os verdadeiros Headbangers que apoiam a cena Underground. Parabéns mais uma vez a todos!