quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Resenha – EP “Soldado não Para” (2014) - Endigna


EP gravado no Estúdio Preset/SP
Produção e Co-produção: Alexandre Russo & Tiago Sorrentino
Desitribuido por: Voice Music Ltda/SP

Nota: 8,5

Embu das Artes/SP é uma cidade vocacionada para acolher artistas. Isto aporta um anexo de artes e culturas de uma abrangência riquíssima de artistas e ateliers, e nada mais justo do que termos uma banda... ( moldada no profundo centro artístico). Sim, estamos falando de Metal, precisamente da banda Endigna, uma das referências da nova safra do Metal extremo, que vem fazendo muito barulho na cena Underground, quase a 10 anos de estrada. Nesse trajeto a banda passou por diversas mudanças, Mas nunca deixando de trazer um som autoral de extremo peso, cadenciados com letras inteligentes, que reflete muito bem a cotidiana vida de que somos submetidos.



Lançado em 2014, o EP “Soldado não Para”, tem uma proposta de mostrar um lado mais agressivo e pesado do Rock ‘n Roll, com composições elaboradas em nossa língua pátria. A parte instrumental da banda é bem marcante com afinações mais baixas, destacando o vocal potente de “Baby Drunk”. A brutalidade do EP fica a cargo de 5 faixas que variam entre o extremo do gênero com pitadas groovadas e de trechos Swingados, elevando a harmonização da banda.

 As audições do ‘Petardo’ já inicia sem firulas com “Contando Ossos”, com um recitamento de ‘Baby Drunk’, que gradativamente vai ganhando brutalidade nas bases pesadas e groovadas, que absurdamente em cima dessa linhas, o vocais densos interpretados por ‘Thais’ dão a clareza do que encontraremos dentro dessa produção.

“Pecado” é a segunda faixa desse projeto sendo agitada com riffs cortantes, mais ainda um pouco na linha do groove. ‘Tiago’ (batera) traz marcações marcantes, com viradas impecáveis de bumbos e tons, a um caos ordenado por porradas! Que se torna impossível não “bangear”, quando se ouve o recheio de solos e urros soltos por ‘Baby Drunk”.

A terceira faixa na audição é a titulo do (EP) “Soldado não Para”, uma composição extremamente marcante e pesada quanto ao som, horas swingadas com bases harmônicas de extremo peso, acompanhados pelos guturais de ‘Thais’, com guitarras salternando entre graves e agudos, e o baixo bem encorpado dão um ganho impressionante a composição que se encerra ao fim de uma oração em “latim”.
A quarta faixa segue uma linha mais no gênero Death Metal, explorando as linhas de vocabolização de “Baby Brunk”, que se conduzem entre o rasgado e gutural, recheado de ‘Blast Beats’ e de tudo que é de brutal está reunido nessa composição devastadora.

A quinta e última faixa desse “Petardo” fica a cargo de “Lei da Obediência”, que também segue mais na linha do Death Metal, em alguns momentos ‘Thais’ intercala vocais entre o gutural denso, que em seguida vem acompanhado de uma voz angelical dando um contraste muito marcante a composição regada de muito peso.


Parabéns a banda Endigna por esse primeiro projeto primoroso. E fica a dica para quem gosta de um projeto autoral de qualidade e produção impecável e recheado de peso bruto, vale muito a pena ter esse ‘Debut’ em mãos!!

Line - Up:

Thais (Baby Drunk) - Vocais
Victor Rocha - Guitarra
Diego Mattos - Guitarra
Feijão - Baixo
Tiago Endigna - Bateria

Links oficiais: