terça-feira, 27 de setembro de 2016

Cobertura - Evento “São Paulo Fest 16”


Live Evil – 16/09/2016 (Morfeus Club/SP)
Organização: Goyattack festival & Arkdrak
Produção: Impaled Records Brasil
Texto & fotos: André Santos
Filmagens: Maria Correia

“Morfeus Club” localizado na região central de São Paulo foi palco acolhedor do evento ‘São Paulo Fest 16’, onde o mesmo trouxe em seu “Cast” três representantes do Metal Nacional sendo elas: Decadência, a horda Luxúria de Lillith vinda diretamente de Goiás para apresentar seu novo projeto negro, o lançamento do (Vinil LP) ”Sucumbidos Pela Carne – 2016”. E o evento também contou com a participação da banda de Heavy Metal Conquistadores. Esta reunião de três vertentes diferenciadas dentro do gênero Metal, trouxe uma quantidade de público bem significativa ao local, demonstrando o efetivo do evento.

Com a casa abrindo seus portões por volta das 19h00min,a galera já presente a frente foi adentrando no “Pub” para acompanhar a festividade da noite, que ficou a cargo da banda paulista Decadência iniciar as apresentações, trazendo em suas composições temas como Guerra, Política e Religião em suas temáticas.


Por volta das das 20h00min, o quarteto formado por Anderson Oleone (Bateria), Marcão Anthrax (Baixo), Bruno Victor (Guitarra) e Filipe Godoi (Vocal), sobem ao palco para destrinchar seu Thrash/Black recheado de muita brutalidade, que se inicia com a música “Campo de Extermínio” chegando como uma verdadeira porrada em nossos ouvidos. E sem perder muito tempo o quarteto já emenda mais uma porradeira chamada de “Metal Infernal”. Com essas duas composições interpretadas por seu frontman acompanhado por seus músicos, que dão o recado através de seus instrumentos refinados de muito peso massivo demonstrando o porquê que vinheram ao ‘Morfeus’.

Com a noite esquentando com suas apresentações o quarteto, Decadência nos manda mais uma composição chamada “Escravo do Consumo”, outra pancada enviada em nossa direção com riffs rasgado, onde o ‘Felipe’ dava todo voracidade a composição através de sua voz.


Ao fim da trinca dessa noite, o quarteto encerra o primeiro bloco de canções, mas, a noite para a banda só estava esquentando no palco do “Pub”, onde os mesmo abrem o 2º bloco de prestação de suas composições levando a galera prestigiar suas músicas como: “Deuses de um Céu de Plástico” e “Currupção de Elite”, chegam com muita vibração e energia emitida por seus campos harmônicos e sua cozinha se encarregavam de trazer todo o peso aos nossos ouvidos.
Com o tempo se encerrando ao quarteto paulista, o Decadência deixam duas pedreiras para massacrar nossas almas que se prenderam aos riffs cortantes e cerrados de “Dor dos Inocentes” e “Era do Caos”, que ficaram a cargo de fechar o seu (Setlist) massivo de forma bem impactante agradando muito a galera presente e já os deixando muito animados para próxima atração da noite, que se preparavam para apresentar sua arte negra.


Depois da apresentação destruidora da Decadência, seguimos para um período de organização do palco, que ocorreu de forma bem rápida, agora para abrigar a horda do Black Metal de Goiás Luxúria de Lillith que chega aqui na capital de Sampa para apresentar o seu recente lançamento em Vinil “Sucumbidos Pela Carne – 2016”.


Por volta das 21h00min, os portais mórbidos se abrem, com a presença do trio negro formado por Drakkar (Bateria/ Vocal), Arkana (Baixo/ Backvocal) e Larakna (Guitarra/ Vocais), iniciam sua apresentação regada de muita blasfemidade obscura, onde o mestre da noite (Drakkar) nos deseja, (saudações da trevas, isso invoca a noite, a morte e o suícidio de todos). Os acordes devastadores de “Desejos Infames” soam em nossos ouvidos como uma verdadeira porrada nos dando uma ideia que viríamos pela frente e já pudemos sentir do que ‘Drakkar’ é capaz de desenvolver dentro de sua arte, onde o mesmo além de ser um grande intérprete de suas composições, ele as conduzem através de suas baquetas com maestria. Mais as “Ladies” estão na linha de frente dando aquele ar sombrio e cuidado de todo campo harmônico dos cânticos.


Já com todos disputando um pequeno espaço dentro do ‘Morfeus’, para apreciar de perto a arte negra da horda, ‘Drakkar’despeja em nossos tímpanos bumbos duplos metralhando nossas almas com o cântico “O Beijo De Mircalla”, onde as Ladies ‘Arkana’ (Baixo) se encarregava de dar todo peso à cozinha da horda que juntamente a ‘Larakna’ nos conduzia por seus acordes rasgados e precisos e, por vez ‘Drakkar’ atrás das baquetas dava toda elegância a sua arte através de sua voz peculiar.
E sem perder o clima sombrio imposto pela horda no “Pub”, o mesmo segue a noite com seus cânticos sombrios que agora fica a cargo de “Templo de Satã”, trinca da noite bem expressiva e carregadas horas de riffs cortantes e rápidos mais com uma levada um pouco cadenciada, dando clima muito bacana na interpretação de sua arte.

Depois da trinca, o (formigão) sobe ao palco para anunciar alguns eventos que rolará durante o mês de Setembro, e o mesmo faz alguns agradecimentos. Ao fim do testemunho do (Formigão), ‘Drakkar agradece o mesmo e da continuidade ao seu “Set Negro” com o próprio cântico que faz jus ao nome da horda “Luxúria de Lillith” (Demo – 1999), ganha vida em nossas almas profanas dissecadas por riffs rasgados e cheio de melodias onde ‘Drakkar’ empunhava sua voz mórbiba. 

‘Drakkar’diz: “Valeu Cena paulista. É sempre bom estar presente”, na “Testemunha do Mal”, interpretação de seu novo projeto (Libido)” Sucumbidos Pela Carne”, cântico executado de forma ímpar e de fascínio não só pelo som negro, mas sim pela sinceridade desenvolvida com que realizam seu trabalho. Ao fim dessas duas execuções, a horda segue com seu repertório macabro, com o cântico de registro anterior de sua arte, “Pestilencia” do álbum (Mundo de Cadáveres). Com todo o mal presente no recanto do “Pub” a horda emenda o próximo cântico “Nosferatus”, uma apresentação levada um pouco mais cadenciada, mas recheada de riffs cortantes e sangrentos. Sem perder o clima que rolava no ambiente a horda emenda mais um cântigo negro “Perpetua Escuridão.


Mas infelizmente estamos caminhando ao fim da prestação de sua arte, onde a horda deixou três composições tais como: “Possuídos pela Sombra” e “A Volúpia Infernal”. ‘Drakkar’: “Valeu! (Morfeus) aqui é a casa do Metal negro”. E o encerramento fica a cargo de “O Dia da Heresia” para fechar seu (Setlist), uma pena tínhamos diversas interpretações negras ainda pela frente, mais devido o tempo da casa a sua arte teve que ser reduzida. Mais isso não prejudicou de forma alguma, só nos deu mais vontade de acompanhá-los. Com certeza os necroamantes não se decepcionaram a cada cântico executado, o trio negro goiano mostrou dentro e fora do palco uma símpatia, ele (as) simplesmente estavam ali presentes mostrando sua arte para quem entende e gosta de forma bem sincera.


Ao fim da prestação da horda Goiana os portais se fecham no palco do ‘Morfeus’, dando o espaço a banda de Heavy Metal tradicional, os paulistas do Conquistadores. Mas para presenciarmos o tal feito tínhamos que aguardar um pouco pela organização do palco que não demorou muito para abrigá –los.


Com a organização pronta caminhamos para a próxima atração da noite e a derradeira prestação que fica a cargo da banda Conquistadores, que sobe ao palco do ‘Morfeus’, por volta das 22h00min, seus músicos Edvaldo Rodrigues (Bateria), Claúdio Magalhes (Baixo), Leandro Magalhes (Guitarra), Laerte Dutra (Guitarra) e André Nepomuceno (Vocal), se fazem presente para destrinchar suas composições e interpretações voltadas na nossa língua pátria, regadas do tradicional Heavy Metal.

E mais uma vez a galera se aproximaram do palco para presenciar toda atmosfera do Conquistadores, os mesmos iniciam seu ‘Set’ com “Morte aos Falsos”, já animando o público que estava na primeira fila. Logo em seguida os acordes inconfundivéis são inceridos em nossas almas e, “Inimigos da Noite”, ganha vida através da voz marcante e imponente de ‘Nepomuceno’. Com a galera já inflamada por suas intepretações, o frontman do quinteto diz: “Já que putaria começou!”  Vamos de “Pultanas”, (para todos nós, homens e mulheres, entenda, o que os digos...), riffs cortantes e velozes vinha através da dupla ‘Leandro’ e ‘Laerte’, guitarmans do quinteto, e ‘Claúdio’ e ‘Edvaldo’ se encarregavam da cozinha para trazer todo peso da canção onde o ‘Nepomuceno’ dava todo o sentido a composição através de sua interpretação.


Ao fim do primeiro bloco que fechou a trinca da noite, o frontman da banda encontra um momento para agradecer o ‘Allyson Drakkar’ (idealizador do fest e membro da horda Luxúria), pelo convite de estarmos presente no evento e parabeniza a todos os envolvidos como as bandas e galera presente. E aproveita para dizer que no dia seguinte os mesmos estariam presente no “Guaru Metal Fest” e esse mesmo mortal que vos escreve estará presente no mesmo para acompanhar o “Fest”, enfim vamos continuar com a narração!
Conquistadores abre seu segundo bloco de canções fazendo menção a maior (Deusa de todas as batalhas) nossa, “Rainha da Morte”, levando a galera ao êxtase com seu compassos marcantes e harmonização, um pouco mais cadenciadas e de solos incandescentes, onde a dupla de guitarmans, se reservavam em executá –los, fora a interpretação muito presente de seu frontman, que nos prendia em todo sua atenção. E sem perder o clima empregado pela banda eles seguem para a próxima música, foi o momento onde o ‘Claúdio’ (Baixista) inciou os acordes através do instrumento dando a vida a composição “Com Sangue se Paga” elevando a “Vib” presente no (Pub), que só foi crescendo a cada momento que o Conquistadores interpretava as suas composições tais como “Lutar e Conquistar” e “A Beira da Loucura”, foi nos instigando a querer mais momentos como esses presentes no ‘Morfeus’.


Em falar em momentos, o quinteto de Osasco guardou o melhor da noite para fechar sua prestação e eis que eles nos presenteiam com “Guerreiros do Metal”, fechando em chave de ouro a sua apresentação no “Pub” Morfeus Club.

Ressalvas: Gostaria de estar agradecendo a todos os envolvidos nesse festival e parabenizar a organização Goyattack festival, Arkdrak e a produção Impaled Records Brasil e pelo incentivo de Allyson Drakkar em juntar vertentes diferentes para comemorar o lançamento do seu Vinil “Sucumbidos Pela Carne”. Atitudes como essas demonstram que o único intuito de todos os músicos é simplesmente fazer música pesada e levar sua arte a quem tem que chegar. Isso é Metal!

PARABÉNS à Conquistadores, Luxúria de Lillith e Decadência

Trechos do evento:

Decadência:



Luxúria de Lillith:



Conquistadores:



Links oficiais das bandas: