sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Amazarak, NervoChaos & Vulcano: Reunidos no Hangar 110 para celebrar o lançamento do “Split” em vínil 10 polegadas


Texto & Fotos: André Santos
Fimagens: Maria Correia
Live Evil, 09/10/16

Domingo tivemos um dia movimentado no que se refere ao Metal Extremo, onde tivemos a vinda da banda Mayhem ao Brasil para se apresentar no palco da Clash Club. Mas no entanto, tivemos manifestações em nosso cenário local também, onde os Metalbangers compareceram em peso no Hangar 110 para acompanhar um encontro mais que especial, reunindo três bandas consagradas do Metal Extremo Nacional para celebrar o lançamento do “Split” em vínil 10 polegadas da banda paulista NervoChaos e Amazark que leva o subtitulo de “Ascensão do Chaos” via Congumelo Records.

E nesta mesma noite o NervoChaos comemora duas décadas de estrada, e lançou em seu canal oficial (Site) o filme “Volta ao Mundo em 30 Minutos”, onde podemos acompanhar pequenos trajetos realizados em turnês do ano 2015. Mais esta comemoração também contou com uma das mais importantes bandas pioneiras da cena Death Metal Nacional, falo dos convidados da noite o Vulcano, que sobe a serra do mar paulista para se apresentar ao lado dos músicos, do Amazark e NervoChaos. Recentemente o Vulcano lançou seu DVD intitulado de “História do Vulcano”, que teve sua versão apresentada nos cinemas! Contando toda sua trajetória e projeção na cena Metal. 

E claro que quando se trata de Metal Nacional, e de suas vertentes o blogger “Chama do Metal” está dentro das festividades desenvolvidas nesse gênero que admiramos tanto, com isso vemos a necessidade de fazer uma narrativa aos leitores do mesmo e aos amigos, que de alguma forma não puderam estar presentes à tal evento realizado no Domingo.

Com os serviços disponibilizados por volta das 18h30min, a galera foi adentrando ao recinto do Hangar 110 para acompanhar as prestações da noite.


Então por volta das 19h00min, as cortinas do “Pub” se abrem revelando a primeira apresentação da noite, me refiro a banda paulista Amazarak e seus músicos: Rafael Lennert (Bateria), Fabio Oliveira (Baixo), Kristiano Amazarak (Guitarras), Eddie HS (Guitarras), Danilo Santojo (Vocais). Iniciam o seu set list regado de ódio e resistência ao “Cristianismo”, usando como armas composições voltadas ao gênero Black Metal. Ao meio de luzes apagadas a introdução é solta no recinto, que logo vem acompanhada dos riffs cortantes de “Sovereign And Proud” que abre a sequências aos cânticos voltados a nossa língua pátria, onde a horda já emenda a música “Hino de Blâsfemia” de sua Demo intitulado (Comando Blasfênia – 2005). Levando o público do Hangar 110 agitar muito com seus acordes rasgados.

A trinca da noite fica a cargo da primeira composição pertencente ao seu 1° álbum de estúdio chamado de Ascenção do Anticristo” (2009).”Triunfo e Sangue”, entre acordes macabros e riffs ultra-rápidos e “Beats Bets” insanos, onde os músicos demonstravam uma excelente harmonização no palco levando a galera imitar vários “Urros”, e por onde se passava os olhos os Metalbangers agitavam muito embalados pela sua prestação ao palco.

Com o fechamento da trinca musical a horda Amazarak segue com mais um bloco de cânticos, seguindo as composições de seu 1º álbum de estúdio, onde a responsabilidade fica por vez de “Sob o Sinal de Lúcifer” e sem perder o clima destruidor criado no “Pub” a horda chega com mais uma porrada em nossos ouvidos com a “Sangue Manchado no Trono de Deus”, que justamente contou com uma grande participação nos vocais, ‘Lauro Nightrealm’ (NervoChaos), o frontman ‘Danilo Santojo’ e seu convidado dividiram o palco intercalando suas vozes a composição dando um (Up- Grade) insano levando o Hangar 110 a loucura.


Depois desta apresentação ao lado de ‘Lauro’, a horda Amazarak, segue a noite com o seu terceiro e último bloco, trazendo três composições do passado sendo elas: “Sob Ataques Profanos” e “Comando Blasfêmia”, ambas da 2º Demo lançada em 2005. Ao palco do Hangar 110 os músicos puderam reviver o passado desse projeto, que contou com a participação especial de ‘Thiago Anduscias’ (Ex, Amazarak e o atual baixista da banda NervoChaos), um dos pontos bem marcantes deste “Fest”. E para o final da noite ficou reservada uma cover da música “Sacrifice” do grandioso Bathory, que justamente fecha a audição da (Demo) e também se encarregou de fechar a noite da horda no “Pub”.


Assim que as cortinas do Hangar 110 se fecharam, ficamos no aguardo anciosos pela próxima atração da noite, para completar toda manifestação do mal que rolava nesta noite de Domingo.


Então por volta das 20h00min as cortinas do Hangar 110 se abrem novamente agora, com a presença da grande banda paulista NervoChaos, já com seu músicos presentes, Edu (Bateria), Thiago 'Anduscias' (Baixo), Cherry (Guitarra) e Lauro 'Nightrealm' (Vocal/ Guitarra), se manifestam após a pequena introdução executada no palco que logo vem emendada por “Ad Maiorem Satane Gloriam” já animando os presentes públicos com sua apresentação mais na linha cadenciada e repleta de marcações envolventes sem deixar o peso de lado.

Ao fim dessa primeira execução os “Metalbangers” já foram tomados pelos os riffs conhecidíssimos de “Infernal Words”. E antes de termos um tempinho para respirar-mos o ‘Lauro’ deseja: Boa noite São Paulo! O NervoChaos está em casa! E acompanhado de um grande ovacionamento da galera, logo na sequência o frontman anuncia a música “Mind Under Siege”e ao fim desta apresentação o público começa a pedir em tom alto a composição “Shadows of Destruction”, onde o ‘Lauro’ atende prontamente seus fans , com este pedido completa a quadriletera composição da noite, agora o que falar deste primeiro bloco simplesmente destruidor já envolvendo a galera de forma (animal).


Com a noite pegando fogo, a banda Nervochaos abre o seu 2° bloco de canções, ‘Lauro’: Eh ai Headbangers, São Paulo..., vamos mandar um som das antigas do álbum (Battalions of Hate – 2010) vamos ver quem conhece ai ? E os fâs gritam em brandos “Total Satan”..., e o frontman diz: Vamos gritar mais alto ai! E os riffs cortantes e raivosos de “Total Satan” são despejados em nossos tímpanos como verdadeira tijolada. E logo na sequência vem a insana e pegajosa “From Below And Not Above” onde constantemente ‘Lauro’ e ‘Cherry’ duelavam alguns pontos de solos aderentes.

E se tratando de tijolada o “Chaos” já emenda outra porradeira “The Harvest” de seu álbum (The Art of Vengeance – 2014) levando a galera a “Great Mosh’s”, embalados por (Beats Best) de ‘Edu’, executados pelas suas mãos incansantes nos kits. Ao fim. ‘Lauro’ diz:” Vocês são insanos pra caramba”. Lauro comenta: “Esse próximo som, quero ver a porrada comer solta aqui, porque? Deus não está aqui está noite”. Onde o mesmo anuncia a próxima devastação da noite “Pazuzu Is Here” e a galera presente atende prontamente o frontman do “Chaos” levando o “Pub” abaixo, embalados pela “Pinducha” voz de ‘Lauro’ que se escoava por todo o Hangar 110.


Depois de uma pequena pausa, seguimos para o terceiro bloco da noite, e o ‘Lauro’ antes mesmo de dar sequência ao “Set” aproveita para dizer: “Como todos já sabem estamos preste a lançar um novo álbum na praça, dentro de algumas semanas. E vamos tocar uma das composições presentes neste projeto”.  E somos presenteados por seu novo som “Moloch Rise” composição que já nós deu uma ideia do que vamos encontrar dentro desse novo projeto, executada de forma insana onde a ‘Cherry’ dava um gás brutal em seu “Backvocal” rasgado dando uma consistência bem marcante dentro dos 2min46seg, da canção.


E seguindo o quadro do set do 3º bloco a banda solta outra composição destruidora “Mark of The Best” pertencente ao álbum (To The Death – 2012). Durante uma pausa para a próxima música, o frontman da banda comenta: “Estamos aqui comemorando 20 anos de estrada, queria agradecer durante estas duas décadas a cada um de vocês, sem vocês não tem planos que durem 10,20, 40 anos, vocês fazem isto aqui acontecer, muito obrigado..., também estamos lançando nosso material novo “Split” ao lado de nossos irmãos do (Amazarak)”.

“Então vamos seguir a noite, e gostaria de dedicar este som a cada um vocês, porque vocês sim são os verdadeiros espíritos do Undergroud”. Aqui é o verdadeiro Underground Nacional...”, para cada um de vocês “For Passion Not Fashion” e os riffs cerrados alimentam a disposição de cada “Metalbangers” presentes no “Pub”, fechando o seu terceiro bloco no palco.

Com o seu 4º e último bloco da noite o NervoChaos deixa três composições devastadora para fechar sua prestação ao palco Hangar 110, onde o ‘Lauro’ comenta: “Vamos tocar uma música de nosso primeiro álbum”. Este álbum foi lançado em 1998 e é intitulado como (Pay Back Time).” Mighty Justice” vem como uma verdadeira porrada sonora em nossa almas, recheadas de acordes rasgados e Beats Best insanos além de Backvocals irados. E para fechar as porradeiras “All-out War” e a “Pure Hemp”, se encarregam de fechar o bloco de apresentações de suas canções, onde mais uma vez as cortinas do “Pub” se fecham ao público.


Mais ainda a noite não se encerrou para os Headbangers, pois tínhamos a terceira atração vinda de Santos, Litoral paulista para se apresentarem ao palco do “Pub”.


Então por volta das 21h00min, as cortinas do Hangar 110 se abrem para os fans presenciarem a atração da noite, e estamos falando dos convidados vindo diretamente do Litoral paulista, a banda Vulcano e seus músicos: Arthur "Von Barbarian" (Bateria), Carlos Diaz (Baixo), Gerson Fajardo (Guitarra), Zhema Rodero (Guitarra), já presentes no palco há meia luz iniciam seu “Set” com uma pequena (Intro)”Satanic Legions” executada mecanicamente por seus músicos. E logo na sequência o mestre “frontman Luiz Carlos Lousada” entra ao palco recitando: “São Paulo! Os portais do inferno se abrem, para vocês se levarem agora, Vulcano...”

E os mesmo portais se abrem com riffs rasgados da música “Witche’s Sabbath” presente em seu álbum primeiro álbum (Live! – 1985) e também presente no (Who Are the True? – 1988). Está mesma execução já foi levando o público presente agitar muito até com algumas subidas de fãs ao palco para se laçarem a galera presente, o famoso (Mosh). ‘Lousada’ frontman da banda diz: Eh ai..., é bom estarmos em sampa novamente, quando estivemos pela última vez aqui no meio do ano foi para lançar o DVD que conta nosso história (Os Portais do Inferno Se Abrem: A História do Vulcano – 2016). Mais é muito legal estarmos aqui no Hangar 110, uma casa que gostamos muito de tocarmos junto com vocês! E agora vamos levar mais um som de nosso 1º álbum de 85 (Live!).


“The Signals” chega em nós repleto de acordes rasgados e densos de peso envolvente, onde foi remetido em alguns “Metalbangers” o passado dos anos 80, trazendo grandes emoções a velha guarda presente como ao jovem ali presente também que desfrutavam desse momento. E sem perder muito tempo o Vulcano emenda uma composição presente no seu álbum (Drowning in Blood – 2011), que representa muito bem o contexto presente neste projeto a 1º faixa “Awash in Blood” surge ao palco como uma verdadeira tijolada em nossas almas.

Onde a mesma mencionada acima fecha trinca do “Set” do 1º bloco da noite, além claro da introdução que foi feita de forma mecânica por seus músicos. Mais vamos seguindo com a noite onde a banda santista dá inicio ao seu 2º bloco de canções. ‘Lousada’: “À quase dez anos atrás o Vulcano lançou um “Split”, com uma banda Suécia chamada de (Nifelheim), onde o mesmo carrega o nome de (Thunder Metal – 2006)”. Este som se chama “The Evil Always Returns”.


Logo em seguida a banda emenda mais uma composição chamada “Gates of Iron” do álbum (Tales from the Black Book - 2004), que marcou o retorno do Vulcano a cena Metal Nacional após dez anos de hiato, onde os mesmos sempre mantém ao seu “Setlist” de apresentações por ser uma das canções bem fortes e arraigado que banda traz em sua manga. Na sequência a banda emenda a “The Beast / The Hermit” está mesma trata-se de um projeto novo que está preste a se lançado no mercado, pois o seu material já se encontra gravado pelo Vulcano.

Depois desses dois blocos de composições tocadas e cantadas em Inglês, o 3º bloco de seu “SetList” é voltado a composições em nossa língua pátria, e esperados por todos posso dizer que foi um dos pontos mais fortes presentes no “Pub”, onde os grandes clássicos do Vulcano foram tocados e bastante ovacionado pela galera presente que entrou na piração total com as composições de “Total Destruição” uns dos grandes hinos do Metal Extremo (Eu Sou o quinto cavaleiro do apocalipse/ Empunho em minhas mãos uma espada forjada em aço e fogo/Ergam sua cabeças para que eu possa decepá -las/ A dor não devem temer/Pois vosso sangue em minhas mãos eu vou beber/Pois preciso de vossas almas para meu pacto com Satã pagar).

E mais, a grandiosa “Guerreiros de Satã”, ambas mencionadas aqui levaram a galera a grandes “War of Death” levando os fãs subir ao palco se jogarem na galera presente ocasionando vários (Mosh’s). E na sequência para fechar está trinca composta em português a banda fecha o 3º bloco com a música “Legiões Satânicas”.


E seu 4º e último bloco do “SetList” é dado início, mas antes, o frontman ‘Lousada’ comenta: “O Vulcano comemora o aniversário do grande (Bloody Vengeance) lançado em 86. Trinta anos atrás, se completa hoje e vamos tocar este álbum na integra. Falo!”. E sem perderem muito tempo, composições como: “Domínios of Death”, “Spirits of Evil”, “Ready to Explode”, “ Holocaust”, “Incubus”, “Death Metal” e “Bloody Vengeance”, foram destrinchadas uma a cima da outra não dando tempo do público presente no Hangar 110, respirar por causa de tijoladas a tijoladas serem disparados em nossas direções por seu riffs cortantes que embalava a galera presente.



Ressalvas: Parabéns a todos envolvidos desde a equipe de som, luzes, e as banda presente como Vulcano, NervoChaos e Amazarak de terem realizado um show emblemático. Parabéns ao publico que compareceu em peso para prestigiar tal evento, uma das minhas maiores surpresa, por um só motivo a banda (Mayhem), se apresentou no Brasil no mesmo dia em um horário não muito diferente, mesmo assim a galera esteve em peso no Hangar 110. E parabéns a casa como sempre uma excelente estrutura, mais aqui também fica a minha tristeza de saber que esta casa se encontrar com dias contados, devido a falta de apoio e comparecimento da galera na cena Metal Underground local. 

Segue alguns trechos do show nos links abaixo:

Amazarak:


NervoChaos:


Vulcano:


Links oficiais: