quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Last Time: “VII SP Doom Days” - edição realizada no Espaço Som


Fotos & Texto: André Santos
Filmagens: Maria Correia
Organização: Last Time Produção (https://www.facebook.com/lasttimeproducoes/?fref=ts)
Live Evil – 29/10/16

No último Sábado do mês de Outubro, a Last Time Produção realizou mais uma edição, sendo ela o “VII SP Doom Days”, que ocasionou o encontro de duas vertentes distintas do Metal Extremo Nacional. A organização contou com a presença da horda Death By Starvation (Black Metal) de Sampa e Blazing Corpse (Dark/ Doom Metal) da cidade de Paulínia, interior de São Paulo.

A casa Espaço Som Localizada na região de Pinheiros/SP, iniciou seus serviços por volta das 19h30min, que contou com uma pequena galera apreciadora do gênero. Devido seu espaço restrito de dimensão reuniu uma boa quantidade de espectadores que esteve ali presentes para acompanhar mais um evento da (Last Time), já conhecidos por nós.


Então por volta das 20h00min, os serviços são iniciados pela horda paulista Death By Starvation e seus músicos: III (Bateria), IV (Baixo) e II(Guitarra/Vocal), como gostam de apresentarem suas identidades. A horda iniciou seu SetList com algumas canções que estão presentes em seu 1º  álbum de estúdio intitulado com o próprio nome da horda e mais algumas composições novas, além de uma (Cover) devastadora.

Um dos cânticos responsáveis de abrir os portais da noite foi a “Abandonment of Being”, já abrindo a prestação da noite com muita energia e demonstrando ao público para o que vinheram  propor no palco, muito peso e riffs rasgados e azedos. Na sequência o frontman da horda comenta: “A próxima música que iremos tocar estará presente em nosso novo álbum, que contará com o lançamento no mês de Dezembro”. Então o público presente na casa conhece em 1º mão a composição do cântico “Self-Interest”, aqui riffs azedos, sombrio e gélidos se misturam na interpretação de seu frontman.

A trinca da noite está presente em seu “Petardo” e vem representada por “Eluding the Grasp of Possibility”, que passeia entre pegadas mais groovadas e marcações bem sólidas entre a cozinha sem deixar os riffs ríspidos e azedos de lado.


Após a trinca executada a horda da continuidade ao seu SetList, abrindo o 2º bloco de seus cânticos que fica a cargo de “Notabatur Inedia Mortem”, concernente ao seu homônimo álbum, que logo em seguida o seu frontman anuncia mais uma nova composição chamada de “Triangle of Flames” e mais uma vez o feeling é muito presente na canção, acompanhados de acordes gélidos e macabros.
Depois dessa apresentação vamos caminhando para o fim da prestação da horda paulista, onde os mesmos deixam uma cover da composição “Freezing Moon” do grandioso (Mayhem), aliás muito bem interpretada por Death By Starvation.


Após a prestação da horda paulista, aguardávamos a organização do palco para agregar a próxima atração da noite que esteve em Sampa para divulgar o seu recente álbum de estúdio intitulado “The Universe Shouts My Name” lançado em 2016.


Por volta das 21h00min, o quarteto de Paulínia Blazing Corpse formado por os irmãos André Luiz e Adriano Luiz (Ambos ex integrantes do Nashemah) sobe ao palco do ‘Espaço Som’, com seus músicos: C. F. Simplicio (Baixo) e F. (Bateria), fechando a cozinha do Blazing Corpse. Os mesmo iniciam sua apresentação com a música “Nox Splendor”, sexta faixa de seu recente “Debut”, já chamando muita atenção dos ‘Metalbangers’ presentes, por seus acordes cerrados, as melodias ficavam a cargo do teclado de ‘Adriano’ e vocal da banda.

Em sua segunda prestação, o guitarrista ‘André’ extrai riffs gélidos através de seus dedos iniciando a introdução de “Before Sunrise”, que logo o frontman ‘Adriano’ cuida da parte harmônica da canção, onde o mesmo a interpreta com suas influências dentro do gênero Black Metal, dando um clima bem sombrio na composição, fora a cozinha trabalhando a parte rítmica ditando o peso constante.

Mais a trinca da noite fica a cargo de uma das canções antigas que se encontra na Demo (Nocturne Delirium - 2002), falo de “Misanthropic Spirit” que durante a sua prestação o público ficou anestesiado por riffs cerrados vinculados a pequenos solos. E sem perder muito tempo a banda da inicio ao seu segundo bloco de canções abrindo com a “Soturna”, também presente ao seu recente projeto. Aqui os riffs são mais arrastados e solos ásperos estão presentes na canção e mais uma vez a cozinha elaborada por ‘F (Batera) e C. F. Simplicio (Baixo)’, são marcantes atuando de forma bem coesa.


Blazing Corpse vai seguindo a noite com seu 2º bloco de prestação agora por vez a canção homônima de álbum “The Universe Shouts My Name”, uma das canções que se ressalta pelas fortes influências do Black Metal, que são bem presentes nos irmão ‘André e Adriano’ que ao mesmo tempo empregam os gêneros do Dark e Doom Metal a composição dando um clima bem satisfatório ao seu plano.


É mais infelizmente tudo que é bom tem hora marcada para se encerrar devido ao horário, mesmo assim os músicos da banda Blazing Corpse encontrar um tempo para nós apresentar mais uma canção presente ao seu novo projeto lançado recentemente. “Prana – Ribus” é incumbida de fechar a festividade no palco do Espaço Som.

Ressalvas; Parabéns mais uma vez ao Espaço Som, em abrir as suas portas para apoiar e difundir o Metal extremo nacional, e ao Rafael Sade por seu empenho e projeto através da Last Time, pois nós da equipe do Chama do Metal ficamos aqui na torcida e no apoio de seus projetos se perdure por mais tempo, pois seu trabalho é de suma importância na cena Metal.

Assistam alguns trechos da SP Doom Days que rolou no Espaço Som no último Sábado do mês de Outubro:  

Death By Starvation:


Blazing Corpse:



Links oficiais: