quinta-feira, 26 de abril de 2018

Resenha Sinphonicon – Nemesis Ablaze

 
 O que tenho a lhes apresentar hoje se trata de um poderio musical completo e impecável. Uma sonoridade totalmente enaltecedora e obscura. Sinphonicon, diretamente da Polônia. Talvez muitos aqui já a conheçam, talvez não. Esta é a chance de se abster a mais uma monstruosa banda europeia. Esta banda nos trás um leque de elementos musicais riquíssimos. Mas, primeiramente, vamos às apresentações. Como já mencionado acima, Sinphonicon vem diretamente da Polônia e nos serve de um excelente Symphonic Black Metal (também com forte peso no Death Metal). 
 
Nemesis Ablaze é até agora o único projeto integral (Full-Lenght) da banda (e que projeto sensacional!) lançado no ano de 2012. Encaixo esta banda entre as melhores que já tive a oportunidade de ouvir dentro do gênero junto com Carach Nagren (Holanda); Advent Sorrow (Austrália); Dimmu Borgir (Noruega); Fleshgod Apocalypse (Itália) – mesmo sendo esta uma banda de Symphonic Death Metal absoluta –; etc, e por que não imaginar uma turnê com Septic Flesh; Rotting Christ; Belphegor; e até mesmo com Behemoth? Seria de uma inacreditável destruição. Seria um verdadeiro “bem-vindo” ao caos.

Vamos ao que interessa agora: a destruição sonora. Sinphonicon tem uma pegada muito significativa conquanto seus encaixes sinfônicos e brutais distorcidos: busca acima de tudo enaltecer uma certa melancolia que há entre estes dois elementos primordiais; aspectos que definem e consolidam a características da banda. As canções nos passam mensagens e sentimentos que vão muito além da música em si. A arte abrangente e presente em cada elemento das canções remete à uma época em que a música erudita tinha suas devidas representatividades sociais e inspiradoras à mesma. Um bom exemplo dos encaixes perfeitos da banda se dá em “Echos” (faixa quatro do álbum); nesta canção, tenho a impressão de estar frente a um palco de teatro e analisar freneticamente uma obra/peça que ilustra atrocidades obscuras e que remetem também à escuridão. Os toques arrepiantes do teclado, a conjuntura musical entre guitarras/contrabaixo e bateria, enriquecendo e deixando relevante a importância dos corais e sinfonias num dueto insano com o vocal tenebroso e demoníaco. Em certos aspectos, me lembra muito Carach Angren, pois se trata muito mais do que uma simples música; do que simples composições. Tratar-se-á aqui de uma fidedigna atuação do estúdio aos palcos. São dezenas, centenas de ouvintes que têm a possibilidade de ver de perto esta sincronia elementar e primordial que forma uma perfeita e complexa conjuntura musical. Elementos que se misturam e formam um corpo grotesco-apocalíptico, resultando na erudição musical que Sinphonicon vos passa (pelo menos à minha pessoa). 
 

Cabe a minha pessoa também ressaltar a preponderância e similitudes presentes nos aspectos musicais que remetem à medievalidade, ou mesmo às grandes peças orquestrais que temos em nosso tempo. Uma perfeita junção elementar que dá vida à este pesadelo(no bom sentido) musical. Nemesis Ablaze nos possibilita entrar num transe que não tem volta. Após a experiência de ouvir esta arquitetura musical, tudo muda! É um condensado de raiva com arrepio; uma melancolia ensurdecedora/gritante. O suor começa a escorrer pelo rosto. Os pedais começam a ficar cada vez mais velozes, e a banda ainda nem nos mostrou seu potencial máximo. Quando ao ouvir Sinphonicon, lembrem bem de que estarão em uma odisseia: a magia que envolve a música se estabelecerá em seus sentimentos. Paro aqui com minhas argumentações conquanto à Nemesis Ablaze. Por mais que tente, não conseguirei descrever o quanto é mágico e prazeroso estar ouvindo Sinphonicon. Mais uma banda que deve ser de conhecimento de todo um público amante do Metal. Ouçam esta arte musical!
  

Formação:
Dominik "Spirit" Wawak 
(Vocais, Todos os Instrumentos)
 
Mais Informações:
 
 
Autor da Resenha: Guilherme Thielen(Niflheim)